logo7.jpg









10 pedras mais conhecidas

Diamante


O diamante é, das pedras preciosas, _dsc2961_morguefilea mais valiosa e resistente. O significado do seu nome origina-se do grego adamas, que significa inconquistável. Esse mineral é uma forma de carbono, assim como o grafite e o carvão. Ele se cristaliza no sistema cúbico, à pressões e temperaturas extremamente elevadas, ou seja, ele é carbono cristalizado.

É conhecido há mais de 3000 anos, quando foi descoberto na Índia. No Brasil, foi a primeira pedra a ser comercializada, quando foi encontrada em Diamantina, no ano de 1725. Nessa época, o Brasil se tornou o maior comercializador de diamantes do mundo, seguido da África do Sul, que logo depois nos ultrapassou com a descoberta de milhares de depósitos da pedra preciosa. Por seu grande valor, ele é a pedra preciosa mais explorada e estudada pelos homens.

Suas cores podem variar de transparente a azul, verde, rosa e raramente vermelho, podendo também ser amarelados ou castanhos. Desses tipos, os mais valiosos são os incolores e os de cores fortes ou raras. Estudos mostram que o diamante se forma na parte interna da terra, em profundidades de 100 a 200 km.

O diamante é tornado menos grosso e polido com pó de diamante, por causa de sua fragilidade. Uma característica muito interessante dessa gema é a tendência de aparecimento de uma luz fluorescente azul-baça, quando exposto a raio X. Essa técnica é utilizada para separar o diamante de sua rocha hospedeira, bruta.

Composição: Carbono

Fórmula química: C


Opala


A opala divide-se em duas classificações: a opala preciosa e a opala comum. Seu nome deriva-se de upala, que significa 'pedra preciosa'.

Sua principal característica são as inúmeras colorações fundidas, que formam um jogo de cores belíssimo. A opala é uma das poucas pedras preciosas que não é cristalina. As cores da preciosa variam: na opala branca as cores, são mais pálidas, claras, e nas opalas escuras, as cores são castanhas, cinzentas e negras. Na opala de fogo, as cores geralmente são mais alaranjadas e vermelhas.

A composição da opala tem um valor considerável de água, podendo chegar até a 21% da totalidade; na opala comum, é cerca de 6 a 10% de água. Por causa dessa tal composição aquosa, quando extraída, ela pode se quebrar se for secada muito rápido.

Os romanos acreditavam que ela era símbolo de pureza e esperança. Na mitologia, acredita-se também que quando Deus criou o mundo, ele raspou todas as cores usadas para criar a terra e criou essa pedra preciosa. Na Era Medieval, os homens acreditavam que a opala tinha poderes curandeiros; assim, usavam-na para curar doenças dos olhos.

Composição: Óxido de silíco hidratado.

Fórmula química: SiO2nH2O


Esmeralda e Água-marinha


A esmeralda e a água-marinha são variações do mineral berilo, e têm a mesma composição. As impurezas na composição dessas pedras que denominam suas cores, como por exemplo, o verde-aveludado das esmeraldas, que também são combinação de quantidades de crômio. O ferro também pode dar origem às cores azuis esverdeadas da água-marinha.

As esmeraldas, são as mais apreciadas e valiosas, pois as perfeitas são extremamente raras, já que a maioria das que são encontradas apresentam impurezas e "fraturas".

A água-marinha foi descoberta em Madagascar, país africano. Ela é uma gema delicada e sensível à pressão. Quando usada em joias é recomendado ter bastante cuidado, pois é uma pedra muito frágil.

Já a esmeralda, foi descoberta no deserto do Egito antigo, há cerca de 5000 anos. Ela é considerada a quinta gema mais cara do mundo, perdendo apenas para o diamante, rubi, alexandrita e safira.

Composição: Silicato de alumínio e berilo.

Fórmula química: Be3Al2Si6O18


Alexandrita


É uma das pedras mais raras que podem ser encontradas na natureza. Uma grande característica nessa pedra são os efeitos ópticos causados nela pela luz, que podem alternar a sua cor. De dia, a alexandrita pode ficar com tons esverdeados, amarelos, marrons, cinzas e azuis, e de noite fica mais avermelhada. Foi descoberta na Rússia, em 1883.

Muitos garimpeiros chegavam a confundir a alexandrita com a esmeralda, por isso sua descoberta é 'recente'.

Essa gema possui um grau de dureza alto, o calor excessivo também pode influenciar fortemente na mudança da sua cor.

Composição: Óxido de berílio e alumínio.

Fórmula química: BeAl2O4


Rubi e Safira


O rubi e a safira são pedras com cores muito intensas. As duas gemas são variações do corindo, mineral bastante duro. Assim como a maioria das pedras, suas cores derivam de impurezas em sua fórmula. O crômio deriva do vermelho intenso do rubi. 

Já as pedras de outras cores derivadas do corindo são conhecidas como safira, sendo as azuis as mais famosas.

 

Os rubis geralmente têm formatos planos, enquanto as safiras têm formas de barris ou pirâmides.

Ambos são pleocroicos, por isso sua lapidação deve ser cuidadosa, para que apresentem uma melhor cor.

Composição: Óxido de alumínio

Fórmula química: Al2O3

 

pedras-borda2.jpg

 

Ametista

 

Também conhecida como quartzo-violeta, a ametista é uma variação da família do quartzo, geralmente de cor violeta ou púrpura, por causa da presença do ferro, do manganês e do titânio em sua composição. Se exposta ao sol, sua cor pode enfraquecer.

Ela se forma em cavidades de rochas vulcânicas ou em pegmatitos.

Seu nome vem do grego “amethystos”, que quer dizer “sóbrio”. Na antiguidade, acreditavam que essa pedra dava estabilidade, sorte e proteção.

Composição: Dióxido de silício

Fórmula química: SiO2


Topázio


Nos tempos antigos, todas as gemas amareladas eram consideradas topázios. Foi quando, em 1737, conseguiram diferenciar os topázios das outras gemas amareladas. Suas cores podem variar entre o amarelo, alaranjado, castanho e rosa.

Seu nome vem do grego 'Topazus', que nominava uma ilha do Mar Vermelho. O significado da palavra é 'procurar', expressão que caracterizava bem a ilha, pois estava sempre rodeada de névoa e era difícil de ser encontrada.

Em sua fórmula pura é incolor, mas ganha geralmente a coloração amarela graças às impurezas. Atualmente, foram encontrados topázios de cerca de 100 quilos, na Ucrânia, país da Europa Oriental.

O topázio em forma bruta deve ter cuidados especiais, já que nessa forma, ele pode se partir em lascas facilmente.

Outras variações do topázio são o topázio imperial, que pode ser até lilás, e o topázio azul, que também pode ter outras variações de azul, como azul-celeste, azul-suíço e azul-cobalto.

Composição: Silicato de alumínio fluorado.

Fórmula química: Al2 (F,OH)2 SiO4


Turquesa


A turquesa é uma pedra admirada desde a antiguidade, quando os egípcios começaram a minerá-la, há 6000 anos, e também foi uma das primeiras pedras a ser imitada.

Ela é um mineral de composição de fosfato mais alguns outros minerais diminutos. Ela ocorre geralmente nas rochas de regiões áridas.

Sua cor, um azul único, que até leva nome de uma variação, 'azul-turquesa', deve-se à presença de cobre em sua composição.

Na atualidade, a maioria das turquesas é produzida no sudoeste dos Estados Unidos, mas também pode ser encontrada em abundância na China e no Irã.

Composição: Fosfato hidratado de cobre e alumínio

Fórmula: CuAl6(PO4)4(OH)8·5H2O






Site desenvolvido por KERDNA Produção Editorial LTDA